top of page
  • Vivian Albuquerque - Psicóloga CRP 12/20688

ANSIEDADE

Atualizado: 17 de mar. de 2021

A modernidade, a vida agitada, nos trouxe muitas inquietações. Estamos sempre conectados, tentando nos equilibrar dentro das várias atividades que temos para cumprir ao longo dos nossos dias, e tudo isso nos deixa acelerados, surgindo a ansiedade que não é sadia. Mas, ela, a ansiedade, não surge apenas pelas diversas tarefas do nosso dia a dia. A ansiedade pode advir de vários fatores como: genética, stress, traumas, etc. São situações que se acumulam ao longo da vida, e que não foram elaboradas através da palavra. Quando não conseguimos falar o que nos aflige, por inúmeros motivos, pode culminar em uma ansiedade patológica, ou seja, torna-se uma doença, um transtorno que deve ser tratado, e com o passar do tempo se intensifica.

Nosso cérebro está preparado para momentos de estresse, e até certo ponto é saudável, pois o corpo está capacitado para enfrentar momentos estressores. A grande questão é: quando ficamos dependentes dessa descarga de adrenalina e outros hormônios, passando a viver dessa maneira, sempre ansioso e em sobressaltos, fazendo o cérebro trabalhar de forma demasiada. O cérebro responde para se defender desses "ataques" externos, e assim, manifesta-se o transtorno de ansiedade.

A ansiedade crônica pode ser administrada, e causar menos sofrimento quando é tratada. E por que não dizer que ela pode ser revertida? Nosso cérebro é plástico e mutável, ele se molda às circunstâncias e a tudo aquilo que dizemos para ele fazer. Claro, requer muita disciplina e uma mudança de vida. A indicação é tratá-la através de ajuda psicológica e médica.

A ansiedade patológica causa muito sofrimento, como por exemplo: pensamento acelerado, sudorese, taquicardia, insônia, cansaço excessivo, depressão, entre outros sintomas. A ansiedade patológica têm suas nuances, como o transtorno de ansiedade generalizada, mais conhecida como TAG; transtorno do pânico, síndrome do estresse pós-traumático, o transtorno obsessivo-compulsivo, conhecido como TOC; as fobias, etc.

É importante identificar, juntamente com um acompanhamento profissional, as dificuldades que você enfrenta. A ansiedade com o passar do tempo, se não tratada, fica muito séria, podendo causar danos pessoais e sociais, incapacitando para as atividades diárias.

O acompanhamento psicoterapêutico é de extrema importância para o enfrentamento da doença. Em psicoterapia, você irá descobrir o que originou sua ansiedade, e você também aprenderá a conviver com ela, da melhor forma possível, trazendo mais qualidade de vida. O autoconhecimento é a base para um convívio com esse transtorno psíquico que ocasiona tanto sofrimento e dissabores.


Cuide-se.

grande abraço, Vivian Albuquerque.


Referência:

TELES, Leandro. O cérebro ansioso: aprenda a reconhecer, prevenir e tratar o maior transtorno moderno. 1 ed., SP: ALAÚDE, 2018.


120 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page